quinta-feira, 6 de junho de 2019











                                                       Ele me virou e cometeu o ato. Pedi para ele parar, ele continuou.
                                 Fui para o hotel, ele mandou mensagem, ia para uma festa, mas passaria lá para me dar um beijo. Quando chegou lá,  estava tudo bem, mas ele estava agressivo, totalmente diferente do cara que eu conheci nas mensagens. 
                                      Você sabe o que  fez. Meu primeiro advogado, disse que eu queria inicialmente processá-lo por agressão e não estupro.

quarta-feira, 22 de maio de 2019

O CASÓRIO














                                Quero pedir minhas escusas por não ter ido ao casamento de meus amigos Carlinhos Maia e Lucas Guimarães. É que, meu piloto ficou doente, e, com estes tempos duvidosos, não tenho coragem de voar com qualquer outro. Anos de convivência nos tornam confiantes e medrosos ao  mesmo tempo. Declinei  de outros compromissos, inclusive, um debate com Aurélien Barrau, para ir a tão badalado casamento e, ecce que, me vi impedido. Não faz mal. Ponho-me, embora sem muita convicção, a pensar como meu Papai Nezinho, meu avô, corroborado pelo outro, Leôncio: Deus escreve certo com linhas tortas. Nunca se sabe o que poderia ter acontecido. As forças ocultas de Jânio nunca devem ser menosprezadas. Depois, me poupei dos chatos. Nestas cerimonias sempre há pessoas, chatas, inconvenientes, lacradoras. Querem tomar para si o protagonismo de qualquer jeito. É o caso do beijo. muitos se disseram decepcionados por não terem visto o tradicional beijo de casamento ou como esta idiotice de querer saber o porquê da avô de Lucas não estar presente. Medium, medium, humanus medium. Até a barba do Carlinhos incomodou. Muitos queriam o porquê. E esta briga com Whindersson Nunes porque se recusou a ser padrinho de casamento? As preocupações, meu deus, agora, sou eu, a perguntar. Por  quê? Bem, não ter ido, não me escusa de mandar o presente. Aposto, muitos vão me perguntar qual o presente. Claro não foram alianças, presente do Tirulipa. Não direi. Se quiserem perguntem a eles. Agora quero paz para jogar meu xadrez e me preparar para o debate agendado com Michel Onfray. Aquele com Aurélien foi adiado sine diae. Imaginem, tem gente me perguntando como eu consigo me concentrar para estudar. Ora, gente, eu estou muito tranquilo e feliz. Hoje, em meu país, reina a tranquilidade. Não preciso me preocupar com nada, nem mesmo com meu pinto, porque temos um presidente que se preocupa até com nossos pintos. É a sagração. Imaginem, você está com um problema no pinto, bate um fio, ou manda um tuíte pra o presidente e na mesma hora ele vem cuidar de nosso pinto. Presidente como este não existe em lugar nenhum. E não é só isto. Adeus invasão de terras, nosso querido presidente autorizou. Entrou em sua terra, pá, pá, pá e pronto. Tá uma maravilha. Quando vou à roça, durmo até com as portas abertas.

quarta-feira, 15 de maio de 2019












                      
                                    
                                 Rapaz, é duro. O que, cara? Esquece moço, não posso revelar o que  me passa pela cabeça. Basta o que já sofri nos anos pós  64. Você não disse que foi pra França e lá ficou numa boa? Que boa rapaz, você já viu exilado algum viver numa boa onde quer que seja? A gente fica numa boa em nossa terra, mesmo comendo o pão que o diabo amassou, desculpa o lugar comum. Eu até prefiro que você fale assim. Não gosto de sua mania de intelectual, falando uma língua que ninguém entende.  Hahaha.

domingo, 5 de maio de 2019




                                               

                                         

                          Mil novecentos e cinquenta e seis, Salvador, onze e meia, mais ou menos, Fazenda Grande do Retiro, Nó-de-Pau, Ladeira do Calafate, Avenida Dona Judite. Quem diria! Capriccio Espagnol, Rimskij Korsakov, irrompe a Alborada com os floreios das clarinetas, Na Polícia e nas Ruas anunciava o locutor, cujo nome não me recordo. Era na Rádio Sociedade, na Cultura ou na Excelsior?  Ele dizia bem claro, à maneira como todos fazem uma locução, todo empolado. O Capriccio se rebaixava e ficava apenas como pano de fundo. O locutor ia narrando os fatos, sem nunca ofender o delinquente. 

domingo, 28 de abril de 2019













                       

                                                    Aquela noite. Mágica, aquela noite, cinquenta e cinco. Até que o frio não estava tão frio. Quantos sonhos! Tinha dito à turma, mostrando uma imagem de uma cidade qualquer no livro de geografia. Vou conhecer isto aí tudo. Um livro estendido à minha frente. Aberto e pronto para ser devorado.

quinta-feira, 25 de abril de 2019











                      





                                                   Mário comendo Françoise, eu escrevendo um poema. Há algum mal nisto? E Sá Brito quando acordou sua pia estava toda cagada. Cara foi você que fez isto. Fui sim. Não dizem que o francês mija na pia? Eu como bom brasileiro, caguei. Parece piada, não é. Bom violão, melhor cagaião. Mhami ficou meu inimigo porque coloquei carne de porco eu seu prato. Monsieur Pisani não encontrou nenhuma reticência em mim. Também tive a sorte do vigia me livrar de qualquer culpa. Non, non, Monsieu Pisani, tudo aconteceu muito depois que ele saiu, após ter ficado uns minutos batendo papo comigo. 

sábado, 20 de abril de 2019

                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                         

https://twitter.com/Ruptly







                                                Sangue, eu via muito por todos os lados. Eu por sorte ou esperteza ou mesmo covardia, inda não tinha derramado uma gota. Eu detesto sangue, chego a desmaiar quando vou fazer exame. Mas infelizmente, é quase impossível uma vitória sem sangue. Quem tem não quer ceder. Quando vejo uma barriguinha, tão linda, com aquele tanquinho no umbiguinho. fico louco. Que tentação! Não posso entender como os meganhas têm coragem de bater em pessoas tão lindas. Vi pegarem uma, tão linda, os cabelos esvoaçam sob o sol mortiço. Torceram o braço, empurram-na por cima de troços, derrubaram-na montaram sobre ela e quando conseguiram  algemá-la, estava toda cagada e mijada. É muita loucura.  E o que você queria que eu fizesse?