sábado, 8 de maio de 2021








                            Oh Jardineira, por que estás triste? Mas o que foi que te aconteceu? Ouve-se a voz rouqunha de Ismael enquanto varre as ruas d´Aroeira. Eles vão pagar, intercala, eles vão pagar, um dia vão pagar. "Morreu pouco," ainda dizem, porque tu não estava lá, bando de porcos. E lá eu quero saber onde vai cair o foguete chinês? Quero é chorar meus mortos, lá em Jacarezinho. Hipocritas, vocês bem sabem que os chefes não moram nas favelas.

domingo, 2 de maio de 2021






                                             Invejo os pintores, cantam cantos com as cores; Invejo os músicos, cujos poemas  feitos em sons, silêncio e ritmos, entram por todos os poros;  Invejo o escultor, faz da matéria deuses, nunca esquecidos; Invejo o cantor, cuja voz, divino instrumento maneja; Invejo o bailarim, faz do corpo o tradutor da musica; E por fim invejo o ator, o deus de todos eles, cujo corpo é o altar da arte.

terça-feira, 27 de abril de 2021







                     

                                 Um grande aspirador, tão grande, possível de arrancar do mundo esta poeira má que circula no orbe. Oh! quanto pó no mundo. Meu Deus, Deus? Eu não te chamo em vão, não como os fieis que, à minima dificuldade, te implora. Eu imploro-te, eu te imploro. Arrasta deste mundo o mal que nos envolve. 

quarta-feira, 14 de abril de 2021

 





    

                                                  O Cavaleiro  da Morte, nem mais foice traz, um motossera, de marca, de estilo, tope de linha, de capacete, não espirrar em sua triste figura. Opa,opa, quem te chamou Quixote? Cabeças em fileira, dez, cem, mil, o cavaleiro, motossera em riste, corta-as, menos de segundo, rápido quanto pensas. Tempos Modernos, não é Chaplin? E estranhos e velozes e vorazes e sanguinários e os olhos pesam e as pernas, sacos de areia e os braços, braços, chumbo, chumbo e o sopro e o sopr e o sop e o so e s e o e. 

quarta-feira, 31 de março de 2021







                                                           O Cavaleiro da Morte,                                                                            Feliz cavalga sobre                                                                                 Sobre corpos ensanguentados                                                                 Aspergindo sobre eles                                                                             Mais sangue envenenado.                                                                       

                                          O Calvaleiro da Morte não quer,                                                           Tu não vencerás esta partida                                                                  No  xadrez, como Antonius Block.                                                         Fica em casa.                                                                             

                                              

                                          

terça-feira, 30 de março de 2021

 






                                     Perante os homens da capa preta,  mil de tuas verdades não valem uma mentira dela. O que tu resmungas Zé Mancambira Dá Horus Didi? Pergunta a Antõe Cego, Santa Maria, mãe de Deus, Rogai a Jesus por eu. N´Aroeira, Ismael diz o mermo, Oh jardinera, por que tás tão triste. Tia Benícia toma pra ela a marchinha de carnaval. 

domingo, 21 de março de 2021

 






             

                        Qem quê vim aqui eu espero pode vim. ´Spero de braços abertos e sangue no olho e dente afiado e faca afiada e faca sangrenta, nunca incruenta e a machada, machadinha, Apache do Tororó, e pensar que tou brincando. cadê meu carnaval? E pode vir, pode vir quente q´eu stou fervendo. É Semana de 22, é o Expresso 2222 carregando a massa, carregando a massa deste imenso Brasil. I nesti mundi, de tudi hai, né, Maria Angerca? Si hai, hai. Cum pessoas assi, num se vai a lugar algum. Num é cumpadre?