sexta-feira, 30 de agosto de 2019













                        Statuario, il pingue Buck Mulligan spuntò em cima alle scale con in mano una ciotola di schiuma su cui giacevano in croce uno specchio e un rasoio. La vestaglia gialla, slacciata, era lievemente sostenuta alle sue spalle dall´aria delicata del mattino. Alzó la ciotola al cielo e intonò:
                          - Introibo ad altare Dei.
                          - Ad  Deum qui laetificat juventutem meam.e
                       E lá vão anos e dores e saudades e dores e saudades e furtivos olhares tímidos pela nave, de gente cheirosa, coalhada, pelo turíbulo incensada por mãos inda virgens do pecado, em Capela iniciado, apenas. Olhar não faz mal, leva ao mal, dizem os freis. Quem poderia dizer, um dia falando de Buck Mulligan e não em Zé Macambira, Tico Doido, Tenente e Zé  Canário? Voltas que o mundo dá,  num retorno eterno? Caminha, rapaz, nós tem de chegar cedo n´Aroeira, vender o quebra-queixo, não fica aí mamparrando, que o sol já está nascendo. No salgado, a areia do riacho, onde se punha os animais pra urinar. Vendo as lagartixas correrem dos pés dos animais. Quando sentem muito medo, fingem-se de mortas para não serem apanhadas. Cada bicho como sua defesa, assim mesmo o homem. Um direito sagrado. Agora corro, Deixo Capela do Alto Alegre, vejo a capela do castelo. Monseur Monet expunha suas telas. Impressionismo, Didi, ele é o mestre do impressionismo. Impressionado, mas alheio, perdido. Pouco ouvira falar. Quanto se tem de aprender. Maman Gabrielle mandava, gentilmente, tomar notas. Era meu primeiro artigo para o jornal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário