sábado, 28 de setembro de 2019

GRETA THUNBERG








                                    Eu, em minhas andanças nesta terra plana, tive e, creio, ainda terei,  muitas Gretas. Gretas ja, Thunberg, nej. Não de uma noite para um dia, de séculos de subserviência. Nej, nestas, não se lhes haviam diagnosticado nenhuma síndrome de Asperger, TDAH, autismo. mutismo ou qualquer outro nome bonito que a psico-medicina burguesa criou para enfeitar a vida das pessoas dignas destes nomes. Curtiam suas deficiências na enxada, na catana, no pote d´água na cabeça, no feixe de lenha e tantas outros afazeres que a Thunberg nem sonha existirem. Oh, quanta coisa há no mundo e tu nem sabes, mas te fizeram deusa. Homem, canso, frágil, sem siso. Por medo de perder o que afana, cria ilusões, atira migalhas. Suave neném, tu sabes que os escravos de teus, quando morriam, eram deixados aos cães e aves rapina? Não é verdade Ibn Fadlan? Aí, eu vivi para ver. A menina e dois irmãos, sol a pino, estrada Itaberaba  Iaçu, tapando buracos, por alguns trocados. Três chocolates. Nunca tinham comido. Oh, minha flica, tu não sabes de nada. Tu n´as rien vu a Hiroshima. Tu não sabes de nada, tjej. Muitas, doze anos, sem o que comer, já são mães; Tu não viste, embaixo da Eiffel,  ser preso o praça norteamericano, por mijar no túmulo do soldado desconhecido. Jag ska tala om en sak. Fácil, muito fácil jogar pedras na lua, difícil, muito difícil, defender quem só pedras tem pra fazer guerra. Dificil, mycket svårt, defender quem só a vê a luz por uma greta. Quem gretado pela fome, longa e pesada larica, gretas de. Greta, tu não sabes o que é ter greta de larica.

Nenhum comentário:

Postar um comentário