quinta-feira, 17 de novembro de 2016

O BANQUETE














Vários prédios compunham um conjunto de estilo neoclássico alguns, barrocos outros. Pareciam serem todos construídos em estilo barroco, tendo sido remodelados depois.  Vi, em dezessete de julho de mil novecentos e oitenta oito, amplos jardins  separando-os.
Um deles, com vários pavimentos, abrigava uma espécie de cemitério ou panteão. Ornavam-no ciprestes em fileiras, longas, e, árvores diversas,  mangueiras, gameleiras tornando o ambiente tranquilo, mas sombrio e tenebroso. O ar, impuro, exalava cheiro de carne apodrecida. Insetos 
esvoaçavam por sobre mim, como  moscardos, monstros de cem olhos,  perseguindo a bela Io, paixão de Zeus.
Não sei se mais nojento o costume dos parsis, adoradores do fogo,  de não enterrarem seus mortos, preferindo deixá-los em altas torres para serem devorados por abutres. Não querem contaminar a terra. Mazda certamente é um deus moderno e ecológico.
Nos túmulos, bandejas de iguarias: garum (molho de peixe)  puls,  papa de cereais,   fava  ou  queijo, mel e  gema de ovo; bensone, bolo de farinha de trigo, leite, açúcar, manteiga, ovos, raspas de limão, fermento e sal, tinham sido depositadas como oferendas, que seriam oferecidas posteriormente aos convivas. Um túmulo me impressionou sobejamente. Ali jaz uma anciã. Um anjo desce tocando a trombeta do juízo final. Ela se levanta em prece  e num esforço descomunal suspende a laje que a prendera por longos anos e talvez séculos. Não me ocorrera que se tratava do túmulo da mãe de Le  Brun, mestre da escultura funerária.
Era dia de festa. Qual? Não me recordo. Me vi num salão amplo e multi-decorado. Havia uma mesa repleta de bandejas com guloseimas. Doces e iguarias das mais variadas qualidades e outras vinham sendo trazidas por garçons vestidos a rigor.
Minha mãe se encarregava de zelar pelas oferendas. Ela mandava de volta as bandejas de doces que já tinham cumprido seu tempo nos túmulos a fim de serem saboreados pelos visitantes.
Ajudava mamãe nesta labuta. Neste dia muita gente havia. Eu me apressava para trazer as bandejas para os convivas. A Multidão me atrapalhava nesta lida. E para não me atrasar, voava de um túmulo a outro, de um prédio a outro, passando por cima dos jardins. E como os prédios eram altos, tive de voar como um mupungu  para que não batesse nos tetos.
De repente me perdi. Não encontrei o prédio principal e já escurecia e precisava voltar ao panteão, queria comer da torta de chocolate vista naquele túmulo preto e branco, de  personalidade, por mim,   não sabida..
Voando, me distrai e dei numa igreja  repleta de gente,  ouvindo uma missa cantada por seminaristas de  batinas pretas e sobrepelizes de  alvura sem par. Missa dita no altar-mór. Fiquei parado, observando as funções, os rituais. Boquiaberto, ainda haviam pessoas religiosas.
O cântico, ali,  talvez  tocasse os presentes.  Um canto gregoriano de uma beleza simples, uníssona e contagiante. Pater noster, qui es in cælis, sanctificétur nomen tuum... Era como se tivesse voltando vários séculos no tempo. Senti como se todos estivessem suspensos no ar. Com a luz mortiça das velas, das lâmpadas elétricas escondidas nas cornijas, ou incrustadas em forma de velas em grandes castiçais ou em lustres pendentes do teto  transmitia uma atmosfera lúgubre, mágica e fantasmagórica, hipnotizava o crente e seu observador.
Andando, observava fiéis em sua oração. O barroco, o altar-mor e capelas laterais, estas, permitiam a cada um fazer  orações aos santos de sua devoção,  ou mesmo conversar baixinho, sem incomodar os demais.
Numa capela, uma mulher loira de olhos azuis, nem tanto loura, mas um pouco moura, segurava uma criança e parecia conversar com alguém atrás de uma cortina. Olhou-me com olhos de basilisco.  Não tens o poder de matar, pensei. Erraram o mais velhos. Inofensivo iguanídeo, não me importo  que tenhas teus olhos de feitiço. Vou para ti, mulher. Segura teu filho, não o deixes chorar.
Vestia um comprido vestido lilás,  à maneira grega, aberto em cada lado, deixando entrever o corpo quando em movimento. Parecia ser padre o homem com quem conversava. Era alto e bonito. Trocavam  furtivos gestos de ternura e suspendiam a criança, brincando. Olhar de ciúmes. Desejo traído pelos olhos. Quem não ama a aventura mesmo que a tema? De medo não me aproximei, mas quem há-de? Fitava-os disfarçadamente. Fingia interesse no altar, ricamente decorado com flores brancas, contrastando com o dourado do templo e o púrpura das cortinas pendentes do teto. Na capela ao lado, uma pequena audiência assistia a um sermão. Um padre hirto, barbudinho, Inspirando simpatia dizia sua homilia. “Considera-te já como morto. E, como se tu mesmo  foras outra  diferente  pessoa viva, põe-te a olhar para teu corpo defunto. Adverte como fica feio, pálido e desfigurado. Alguém de casa lhe cerra os olhos, aperta o queixo, estende os pés, compõe os braços e, amortalhado em um pobre lençol (que é o despojo que leva de todas as coisas deste mundo) o põe na casa sobre um pano negro, com luzes a uma e outra parte. Vêm os ministros da igreja, rezam o responso, tomam em peso o cadáver, que está mui inteiriçado, frio e pesado e com princípios de corrupção, e descem para o meter na tumba, despedindo-se dele os domésticos com algumas lágrimas, que brevemente se enxugam e para o defunto são totalmente inúteis. Caminham à igreja, aonde está prevenida uma cova, e amontoados a um e outro lado dela muitos ossos e muita terra que lança  de si o fartum dos mortos, de que costuma ser cama. Este espaçoso e ameno palácio onde há de morar o novo hospede, até que a trombeta de um Arcanjo o acorde e o mande levantar, para que dê conta e leve o prêmio ou pena do que serviu ou ofendeu a seu criador. Ali deixam cair o cadáver, ossos e terra por colchões, terra e ossos por cobertores. Começam a calçá-lo a golpes de enxada, põem-lhe uma  laje em cima; vão-se os circunstantes, uns a comer e beber, outros a rir ou contar novas, outros a tratar do seu negócio. E daí a poucos dias desapareceu até a memória do tal defunto, e ainda a mulher e filhos o nomeiam poucas vezes, e talvez para o praguejarem, se deixou pouco remédio
 Vês, alma minha, o que é o mundo? Vês o que é o corpo? Pois para que adoras no regalo e comodidade do teu corpo? Para que idolatras na estátua fantástica do mundo? À vista de tão horrendo espetáculo e desengano palpável, não me dirás de que serve desvelar-te por amontoar fazenda com inquietação da tua consciência, por crescer na honra, por sair com teu apetite? Onde está agora tudo que deu prazer e recreação a teus sentidos? Que proveito tirastes da vaidade e da malícia? Como és tão néscio, que com ofensa grave de Deus cativas a tua alma e o teu corpo, e todo o tempo e cuidado se te vai em acomodar, fomentar e defender? Não vês que é pó e bichos, horror e podridão? Não sabes que te não há de pagar esses obséquios senão com tormentos?”



Continuação no livro NOITE EM PARIS, breve nas livrarias.



Nenhum comentário:

Postar um comentário