sábado, 20 de maio de 2017

VIAGEM A BONFIM DE VILA NOVA DA RAINHA









Pedes que te conte o que me aconteceu  naquele dia quatorze  de junho de 1990, para que possas com veracidade narrar aos pósteros.  Não sei como tudo aconteceu, mas vou contar-te à maneira de Plinio Cecílio Segundo, ainda que me traga horror e tristeza,  as recordações daquele dia.
Senhor do Bonfim de Vila Nova da Rainha, ou Arraial do Senhor do Bonfim da Tapera, ou ainda e mais recuado  no tempo, Arraial da Missão do Sahy, cerca das 14 horas; Indicado pela OAB para funcionar como assistente de acusação em um homicídio; Um advogado, Helio Pombo Hilarião, assassinado a mando de grileiros por suas ações em favor de posseiros. Sem esquecer de Eugenio Lira, cujo assassinato foi por mim alertado, quando, 15 a 30 dias antes, ouvi de Lili, lá em Mairi, o anuncio de sua morte, lá fui ao fórum saber detalhes do júri a ser realizado no dia seguinte; após folhear algumas peças, para matar saudades, saí  a rever alguns locais da cidade que muito me agradam. A catedral diocesana,  belo exemplar do barroco tardio, singela, mas de torres imponentes. O prédio da prefeitura amarelo ocre. Ver o colégio Nossa Senhora do Santíssimo Sacramento (Sacramentinas) e se deixar embalar por lindas donzelas, a desfilar nos corredores e voar para o Ginásio Sagrado Coração, o Colégio dos Maristas com suas imponentes palmeira reais,  onde o jovem sertanejo ia buscar  educação e saber. Companheiros de badogues em Capela do Alto Alegre, estudantes dos Maristas,  me falavam de sonhos  vividos nos dois colégios. O amor do Senhor, pregado no púlpito, se transfigurava em amor carnal à maneira das imagens de Bernini. Teresa Sánchez de Cepeda y Ahumada, em êxtase, a cabeça jogada para trás, boca entreaberta e pálpebras semi-cerradas, delicadamente a mão de um .anjo toca suas vestes descobrindo-lhe os seios. Devoção, sensualidade e mistério. Com outra mão, segura uma flecha retirada de seu corpo e direcionada às suas entranhas pronta a ser enterrada novamente. Dor e prazer no rosto e corpo que levita envolto no hábito drapeado, qual lençóis revoltos, parecia  ouvir-se alguns de seus poemas, Santa Teresa: Um êxtase caiu sobre mim tão de repente que quase me ausentei de mim mesma.Eu ouvi aquelas vozes, agora  eu quero falar não com o homem mas com  anjos.  Perto de mim, um anjo apareceu em forma humana, em sua mão eu vi uma enorme lança dourada e na sua ponta de ferro, parecia haver fogo. Eu senti como se ele a enterrasse várias vezes em meu coração, de forma que penetrou todas minhas entranhas. Quando ele a puxou, tirou com ela minhas tripas, e me deixou totalmente inflamada com o grande amor de Deus. A dor foi tão grande que me fez gemer várias vezes. Ver o casario antigo, A igreja Nossa Senhora da Maravilha, no alto da Maravilha, a Cruz da Redenção na Rua Antônio Gonçalves, A casa  do Coronel. Antônio Félix Martins, hoje sede do bispado, onde se hospedou Ruy Barbosa. A Terra do Bom Começo, como a chamou, única cidade  do sertão visitada por Ruy. Prova de que foi um intelectual livresco, sem conhecimento da realidade brasileira. Um retorno ao passado, enfim... Caçadores de ouro e pedras preciosas nas minas de Jacobina, boiadeiros e tangedores de gado, descendentes ou empregados de Garcia D´Avila; índios  paiaiás, pataxós  e Kariris correndo campo, abatendo o tapir; negros servindo brancos ou fugindo para o mato, formar os quilombos, como Tijuaçu; o encourado vaqueiro lascando a catinga, derrubando o pé-duro; moças casamenteiras adornando as missas na catedral. As meditações de  Anatole France,  A Vida em Flor aqui bem se aplica: E se procurarem saber porque é que todas as imaginações humanas, frescas ou murchas, tristes ou alegres, se voltam para o passado, curiosas de nele penetrarem, acharão sem dúvida que o passado é o nosso único passeio e o único lugar onde possamos escapar dos nossos aborrecimentos quotidianos, das nossas misérias, de nós mesmos. O presente é turvo e árido, o futuro está ocultoE neste arrebatamento, chegou à estação ferroviária. Um prédio sem estilo definido, como reminiscências do barroco, (no Brasil tudo é barroco),  ainda assim belo, inaugurado em 1944. A linha férrea,  uma das mais velhas do Brasil, iniciada em 1880  e inaugurada em 1887. Primeira estação, esta sim barroca, um conjunto harmônico com  armazém de mercadorias, casas de  funcionários, demolida, confirmando nosso gosto antológico  pela destruição do passado;  Ficava numa paisagem ainda bucólica deixando ver ao fundo a Serra do Gado Bravo, extensão da Cordilheira do Espinhaço, nascida em Minas Gerais. Destruído o transporte ferroviário, (o mais barato),acabaram (ou por causa disto, dizem) por beneficiar montadoras de automóveis e industrias ligadas ao transporte rodoviário.


Continuação no livro NOITE EM PARIS, breve na livrarias.

Nenhum comentário:

Postar um comentário