quinta-feira, 11 de outubro de 2018














                                Rapaz, eu te disse, vai com cuidado, o Brasil é país povoado por pessoas que parecem gente, cagam,mijam, comem e bebem, mas tudo ao mesmo tempo. Te preveni, não preveni? Mas ainda assim, você cometeu um erro imperdoável. Vocês não têm um especialista em comunicação,  não? Temos, mas onde erramos? Em verdade, eles foram até injustos com com você, se eles tivessem pensado um pouco, teriam percebido que você estava fazendo propaganda exatamente do cara que vocês acham que estão combatendo. Veja, Roger, quando você, para atacar alguém fala somente dele, sem mostrar o outro lado, e portanto sua preferência, você estará fazendo exatamente o contrário do que pretende. Você está fazendo propaganda do cara. Olha aí, um idiota anda dizendo por aí, que você é cafonérrimo. Pink Floyd, vocês representam o que de melhor se fazia em música naqueles tempos, a resistência é marca registrada de vocês, não ss pode jogar tudo isto fora. Acho até que você foi enganado pelos promotores do espetáculo. Eles poderiam ter dito que a plateia brasileira é elitista, de direita e até mesmo nazista. Só eles podem comprar um ingresso a turma de esquerda, se comprar um ingresso vai passar o resto do mês passando fome. Te jogaram no meio dos leões. Não é assim que se faz. Uma análise bem feita poderia ter evitado vexames, e se poderia outra maneira de ajudar o candidato de esquerda que você, infelizmente não teve nem pronunciar seu nome, terminando por fazer propaganda gratuita do candidato que você queria combater. Vamos ver na outras cidades, como se deve fazer, mas se você não me ouvir é melhor nem me procurar. Estou cansado de pregar no deserto.

quarta-feira, 3 de outubro de 2018













                                              A Kim me ligou. Sim, cara, a Kim Kardashian, ela enche o saco, com seu papo chato.É uma bela pessoa, mas tem hora que é insuportável. Quando começa falar de uma coisa parece que não acaba nunca. E o pior é que a gente tem de dar-lhe total atenção, senão ela vira uma jararaca. O que conversamos? Rapaz, sobre tudo. Ela não tem limites, fala de tudo e de todos. É até simpática, pode acreditar, apesar de  esparramar esnobismo para todos os lados. Quer por divina força, que volte a Paris, lhe mostrar os lugares que morei, os bares que frequentava, quer esmiuçar minha vida. Não lhe negar tais pedidos, não posso porém, desvenda-lhe toda minha vida. Quem o faria? Quem não tem segredos para levar para o túmulo? Lembro da Sissel. Dizia. Um dia vão te arrancar tudo dentro de ti. Eu dava  risada.