sexta-feira, 30 de agosto de 2019













                        Statuario, il pingue Buck Mulligan spuntò em cima alle scale con in mano una ciotola di schiuma su cui giacevano in croce uno specchio e un rasoio. La vestaglia gialla, slacciata, era lievemente sostenuta alle sue spalle dall´aria delicata del mattino. Alzó la ciotola al cielo e intonò:
                          - Introibo ad altare Dei.
                          - Ad  Deum qui laetificat juventutem meam.e
                       E lá vão anos e dores e saudades e dores e saudades e furtivos olhares tímidos pela nave de gente cheirosa, coalhada, pelo turíbulo incensada por mão indas mãos inda virgens do pecado, em Capela iniciado, apenas. Olhar não faz mal, leva ao mal, dizem os freis. Quem poderia dizer, um dia falando de Buck Mulligan e não em Zé Macambira, Tico Doido, Tenente e Zé  Canário? Voltas que o mundo dá,  num retorno eterno? Caminha, rapaz, nós tem de chegar cedo n´Aroeira, vender todo quebra-queixo, não fica aí manparrando, que o sol já está nascendo. No salgado, a areia do riacho. onde se punha os animais pra urinar. Vendo as lagartixas correrem dos pés dos animais. Quando sentem muito medo, fingem-se de mortas para não serem apanhadas. Cada bicho como sua defesa, assim mesmo o homem. Um direito sagrado.

quarta-feira, 14 de agosto de 2019














                                     Eita, paizinho. pra ter coisa bonita, a melhor coisa do mundo é sempre aqui nesta territa. tchutchuca, cadê você. Mamadeira de piroca, queres mamar? Tu queres um kit gay? Socorro, Capitão Gay! Um quarto da população sem água! Ih. E as gangues vendendo água no cambio negro. Ih. Na botica ao Paço do Borratém, 21 se vende os verdadeiros emplastos preservativos de Doutor Woloski. Mas nós não precisamos tanto de emplastros, mas de rolhas. No disseram, cagar day in, day out. Salvar o planeta da poluição. Arre-égua, terra de malucos. Na velha Lutécia não existe disto não. Podia até haver muita lama, mas isto não, não é verdade, Júlio César?

quarta-feira, 7 de agosto de 2019















                               Eu havia prevenido. Há mais de cinco anos venho falando, alertando a todos, mas fazem ouvido mouco na sua empáfia. Confundem poder com conhecimento e dá nisto. Disse, berrei aos quatro cantos da terra. A solução é o exílio. Não me ouviram. Se me tivessem ouvido, não teríamos, talvez, o governante que hoje temos. No exílio, havia como lutar, preso não.

quarta-feira, 24 de julho de 2019













                                Eu, plácido, quem me diz que não? Oh, Shitala Mata, quo usque tandem? Acá me recolho e guardo silêncio. Aquele, d´ormertá, quase. Por quê? vivemos tempos estranhos, estranhíssimos. Hoje você fala e fica à mercê da barbárie, que cada um dá o significado que bem quer, e, quando se dá conta, está no meio de uma tormenta e até respondendo a processo. Tempos estranhos, alguém mostra a bunda, dizes algo, esqueces e um dia recebes uma noticia pelo oficial de justiça. Alguém que quer tirar dinheiro de ti. Valha-me, Deus-Menino de Tranças da Flor de Lótus, não permitais abrir mi boca e ser condenado ao escárnio dos tempos de agora. Do croá traço um´ imbira, com ela amarro a boca, com´ Ulisse, ao mastro, pelo canto das sereias. Digo que tenho medo e que não o há-de ter?

quinta-feira, 6 de junho de 2019











                                                       Ele me virou e cometeu o ato. Pedi para ele parar, ele continuou.
                                 Fui para o hotel, ele mandou mensagem, ia para uma festa, mas passaria lá para me dar um beijo. Quando chegou lá,  estava tudo bem, mas ele estava agressivo, totalmente diferente do cara que eu conheci nas mensagens. 
                                      Você sabe o que  fez. Meu primeiro advogado, disse que eu queria inicialmente processá-lo por agressão e não estupro. Oh, mundo que imundo tu és! E eu estou em ti, sem poder fugir, porque fugir de ti é a morte e eu não quero morrer, viver eu quero, aproveitar de ti como outros o fazem. Não? Não posso? Por quê? Existem escolhidos? Quem os escolheu? Me dá esta dica, quero saber quem escolhe. Quero ser escolhida. 

quarta-feira, 22 de maio de 2019

O CASÓRIO














                                Quero pedir minhas escusas por não ter ido ao casamento de meus amigos Carlinhos Maia e Lucas Guimarães. É que, meu piloto ficou doente, e, com estes tempos duvidosos, não tenho coragem de voar com qualquer outro. Anos de convivência nos tornam confiantes e medrosos ao  mesmo tempo. Declinei  de outros compromissos, inclusive, um debate com Aurélien Barrau, para ir a tão badalado casamento e, ecce que, me vi impedido. Não faz mal. Ponho-me, embora sem muita convicção, a pensar como meu Papai Nezinho, meu avô, corroborado pelo outro, Leôncio: Deus escreve certo com linhas tortas. Nunca se sabe o que poderia ter acontecido. As forças ocultas de Jânio nunca devem ser menosprezadas. Depois, me poupei dos chatos. Nestas cerimonias sempre há pessoas, chatas, inconvenientes, lacradoras. Querem tomar para si o protagonismo de qualquer jeito. É o caso do beijo. muitos se disseram decepcionados por não terem visto o tradicional beijo de casamento ou como esta idiotice de querer saber o porquê da avô de Lucas não estar presente. Medium, medium, humanus medium. Até a barba do Carlinhos incomodou. Muitos queriam o porquê. E esta briga com Whindersson Nunes porque se recusou a ser padrinho de casamento? As preocupações, meu deus, agora, sou eu, a perguntar. Por  quê? Bem, não ter ido, não me escusa de mandar o presente. Aposto, muitos vão me perguntar qual o presente. Claro não foram alianças, presente do Tirulipa. Não direi. Se quiserem perguntem a eles. Agora quero paz para jogar meu xadrez e me preparar para o debate agendado com Michel Onfray. Aquele com Aurélien foi adiado sine diae. Imaginem, tem gente me perguntando como eu consigo me concentrar para estudar. Ora, gente, eu estou muito tranquilo e feliz. Hoje, em meu país, reina a tranquilidade. Não preciso me preocupar com nada, nem mesmo com meu pinto, porque temos um presidente que se preocupa até com nossos pintos. É a sagração. Imaginem, você está com um problema no pinto, bate um fio, ou manda um tuíte pra o presidente e na mesma hora ele vem cuidar de nosso pinto. Presidente como este não existe em lugar nenhum. E não é só isto. Adeus invasão de terras, nosso querido presidente autorizou. Entrou em sua terra, pá, pá, pá e pronto. Tá uma maravilha. Quando vou à roça, durmo até com as portas abertas.

quarta-feira, 15 de maio de 2019












                      
                                    
                                 Rapaz, é duro. O que, cara? Esquece moço, não posso revelar o que  me passa pela cabeça. Basta o que já sofri nos anos pós  64. Você não disse que foi pra França e lá ficou numa boa? Que boa rapaz, você já viu exilado algum viver numa boa onde quer que seja? A gente fica numa boa em nossa terra, mesmo comendo o pão que o diabo amassou, desculpa o lugar comum. Eu até prefiro que você fale assim. Não gosto de sua mania de intelectual, falando uma língua que ninguém entende.  Hahaha.