sábado, 15 de setembro de 2018













                                       


O dedo na porca de olho na porta até estremecer dedo dedos punho punho mão mão inteira em ti nas ruas do Julião  vagidos de gozo e dor no abandono do tempo caído sobre teu corpo por brutos violado cordas  que o tempo viola  aturdida fome de carne e luz  espaço  zaratempô seca a voz beber queremos todos escravos grita serás ouvido na língua do mundo grande pequeno estranha rebeca  diz histórias faz sonhar e correr mundo abre alas  quero passar como Zé Mancambira queria sou eu sou eu o Mancambira do mundo Horus d´Isis sou eu renascido na noite em Paris perdido na porta do globo abandonado n´amplidão hostil perdulário e pobre pede um sou pagar o omelete comido na Saint-Germain com que cara se riu Gandra rio Sena, qui cena atirei no mar o mar vazou atirei na moreninha baleei o  meu amor no mato verde que sonho não vejo o mundo acordado vai ensina o mundo e aprende kar cidade  sol amon  razominorum sacode este coco moreninha não deixe o coco cair desce do céu te quero na terra  saciar a sede matar a fome verte  lágrimas irriga a terra mãe de todos os começos joga teu laço apanha o ar derrama sobre nós folhas caídas sob os pés silvo de vento e água trêmulo e faminto à busca d´aconchego com frio não entende o flic sem fric onde vai dormir está rodado o suplicio da roda chuviscos de outono vento arrastando folhas sapatos molhados nos pés quebrados versos versus mundo estou in mundo ne ‘stou eis a questão d´água surge a mulher a mesma semper  vestes  transparentes vestais renovados sonhos  ondas do infindo de onde vens eterna  visão de noites em criança tenra nas camas de lona e vento das noutes frias de inverno ao fogo do longo verão desperta-me mil chocalhos de mula imaginária cavalgadura dos sonhos de menino ensandecido por los mistérios da vida  pulula em cada canto  brinca de esconde-esconde chama ardente inapagável alimentando o pensamento viagem per Il  mondo ver é vencer é gozar mil cores  noites  gozei  estreladas como um Van Gogh cantigas de roda ouvir meninas Pai Francisco entrou na roda Teresinha de Jesus de uma queda foi ao chão que Ninguém me tribute lágrimas, nem lamente minha morte, a caminho estou  imortal faço meu Rubicão a ti fortuna acompanho aos fados me entrego veneno da solidão  sacode a poeira vencer é amar moço lindo cobra Norato sou eu sou eu corre corre corre mundo já não canta aracuã no pé de juá cantar o canto triste tarde vento quente  sestroso balançando a capoeira, derribando algarobeiras, monzês e aroeiras serenata  batuque acorda Nepomuceno ensina Brasil.




Nenhum comentário:

Postar um comentário